O pensamento sistêmico, adaptado à gestão, é uma forma holística de tratar os processos e setores de uma empresa como subsistemas interligados entre si, onde cada ação em uma parte reflete no todo.

Para a sistêmica, enxergar que cada parte tem uma grande participação no conjunto impacta a forma como agimos e nos relacionamos, assim como os processos e ações dentro da cadeia de valores de uma empresa.

“Sem o pensamento sistêmico, a semente da visão cai em solo estéril.” – Peter Senge

Gerir um processo sem entender como cada parte se comporta e influencia o todo é uma gestão engessada e ultrapassada.

Gestão sistêmica é a compreensão de que não há um só responsável (A famosa frase que o setor X é o coração da empresa), não há um único setor ou processo que é mais importante e que todo fracasso ou insucesso de um projeto não é culpa de uma única pessoa.

Infelizmente, a maioria das empresas não pensa sistemicamente quando:

  1. O líder adoece a operação com atitudes pouco empáticas, comportamento de chefia, estresse desnecessário, cobranças absurdas, postura agressiva ou intimidadora, não sabe aplicar feedbacks ou não motiva o time. (Liderança tóxica)
  2. A empresa não reconhece seus funcionários, adota políticas diferenciadas de valorização, promove indicados ou parentes sem levar em consideração os colaboradores, não há programas de aperfeiçoamento, não possui uma gestão de pessoas e nem de valorização do conhecimento
  3. Não há gestão das urgências e prioridades, o foco está em apagar incêndios, os resultados têm que ser rápidos e a todo custo.
  4. Falta planejamento (financeiro, estratégico), foco excessivo na execução, falta de indicadores e métricas além de metas surreais.
  5. Falta de Organização e hierarquia (Fluxogramas de processos, organogramas dos setores). Definição de papéis não é clara.
  6. Desconsidera a visão do cliente, dos colaboradores e do mercado. Valoriza mais as teorias do que a realidade prática, não aplica as ferramentas da qualidade nos processos.
  7. Falta de controles internos, auditorias, reavaliações constantes, mapeamento (e redesenho) de processos, Compliance e gestão do risco.

“Você poderá tomar as melhores decisões quando tiver uma visão sistêmica do que deseja.” – Sandro Ferrari

Outro ponto importante que traz a visão sistêmica é o “olhar de fora” ao estudar a empresa, ou processo como se se fosse uma caixa-preta. Esta forma de análise permite a entrada de alguém que desconhece o processo e a história e possa emitir opiniões que trarão uma visão diferenciada do que estavam acostumados a ver no dia a dia.

Este “estranho sociológico” atuará sistemicamente quando conseguir concatenar aquele processo com todos os demais que ocorrem juntamente com os colaboradores envolvidos e afetados direta ou indiretamente.

Em suma, gerir sistemicamente é entender que tudo de alguma forma é afetado por processos anteriores e consequentemente está impactando outros processos ou até o mesmo. Corrigir estes desvios no presente é alcançar a visão da empresa e contribuir para não se perder da missão e dos valores no futuro.

Consultor na área da Saúde com foco em administração e gestão estratégica. Auditor, especializado em Auditoria de Gestão, Governamental, Financeira e de Qualidade em instituições de saúde, sempre atentando para as soluções de mercado e padrões das Certificadoras ISO/ONA. Administração Pública pela UEMG. MBA em Liderança e gestão Estratégica pela HSM. MBA em Auditoria e Gestão da Qualidade pela UNA.

Leave a Comment