Blog

Como você Enxerga o Setor de Faturamento Hospitalar?

O setor de faturamento hospitalar é um dos mais importantes dentro de um estabelecimento de atenção a saúde.

Na era de competitividade em que trabalhamos, onde o paciente se tornou cliente e hospitais passaram a ser verdadeiros hotéis cinco estrelas, gerir contas a fim de criar o cenário financeiro, se não ideal, mas ao menos adequado para proporcionar ao cliente um atendimento de alta qualidade, é questão primordial.

Num cenário onde a porcentagem de atendimentos de pacientes beneficiários de planos de saúde pode chegar a 90% em alguns estabelecimentos de atenção a saúde, onde o valor atribuído a esses atendimentos demora em média de 30 a 60 dias para estar disponível a este estabelecimento, a atenção no circuito do atendimento é extremamente importante.

Para melhor visualizarmos o anterior, vejamos a seguinte situação: duas clientes, duas senhoras, chegam a um hospital para uma consulta. Elas chegam na recepção, uma a uma, por sua vez são atendidas, encaminhadas à consulta com o médico; por ele são encaminhadas ao posto de enfermagem para realizar alguns procedimentos e depois, voltam ao médico que lhes da alta. Uma delas tem em sua bolsa um cartão de uma determinada operadora de saúde e a outra, vários cartões de crédito e um pouco de dinheiro.

No inicio do atendimento, na recepção, quando o funcionário chamou à cliente que tinha o cartão da operadora de saúde, ele fez o cadastro dela no sistema, preencheu a guia de serviço profissional da operadora de saúde dela e pediu que ela assinasse. O mesmo funcionário chamou à outra cliente, fez o cadastro dela no sistema, disse a ela o valor da consulta, a cliente entregou a ele o valor da consulta em dinheiro, o funcionário da recepção guardou este dinheiro em caixa e ao final do atendimento ela pagou a ele o restante do dinheiro referente aos procedimentos realizados no posto de enfermagem.

Ao final do dia, o dinheiro que a segunda cliente entregou ao funcionário da recepção será enviado para o setor financeiro deste estabelecimento e será lançado no sistema contábil. E primeira cliente? Ela não entregou dinheiro algum ao funcionário da recepção. Mas, foi atendida normalmente. Ela apenas assinou uns papéis.

Esses papéis (formulários) serão enviados ao final do dia, para o setor de faturamento. Ali, os procedimentos inseridos neste formulário são contabilizados, os formulários são separados por operadora de saúde, fechados em lotes e enviados a essas operadoras que, por sua vez, analisam as informações inseridas nesses formulários e liberam os pagamentos referentes a eles, que podem demorar de 30 a 60 dias. Seria um processo relativamente simples, se não fosse o fato das operadoras serem bastante criteriosas nas análises destes documentos, e qualquer informação inserida incorretamente nesses formulários impede o pagamento dos mesmos.

Qual é o papel do setor de Faturamento Hospitalar? Será que o seu papel se resume apenas na descrição do exemplo anterior? Muitos definem o faturamento hospitalar como o setor que cobra as contas médicas ou simplesmente aquele que processa as contas médicas dos pacientes atendidos, e que na maioria das vezes, fica localizado naquela salinha modesta no final do corredor.

O faturamento hospitalar não pode ser tratado apenas como um setor de contas a receber, visto que, apenas cobrar, não garante o pagamento. O pagamento fica condicionado a vários outros agentes presentes no circuito do atendimento. Então, como definir o papel de um setor tão importante?

Na administração moderna, a inserção do título Gerência é muito melhor para este setor. Sim, Gerência de Contas Médicas, já que hoje, o papel do faturamento hospitalar é gerenciar esse circuito de atendimento, dando o suporte necessário de informação, treinamento, monitorização e controle, criando um trabalho conjunto, desde o atendimento inicial ao cliente, passando pelo atendimento médico, enfermagem, internação, até a alta. Uma não conformidade na inserção de informações em qualquer parte desse circuito, altera o produto final, ou seja, o recebimento do atendimento.

Supervisor de Faturamento na Norte Trauma Clínica Ortopédica - Rio de Janeiro. Formado em Gestão Hospitalar pela Universidade Estácio de Sá, cursando Gestão em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde do Trabalho (QSMS) pela UNESA. Foi faturista na FAT Faturamento Hospitalar - RJ, onde se iniciou como estagiário e trabalhou em todos os produtos da empresa.

63 comentários em: “Como você Enxerga o Setor de Faturamento Hospitalar?

  1. Nossa quanto comentário maravilhosos muito legal gente essa troca de informações sobre Faturamento, Fui Gerente Administrativo de um pronto socorro, Já fui Ouvidor, Já fui Faturista, Analista de Internação, passei por vários outros setores no Hospital e hoje vejo o setor de Faturamento um dos principal em um hospital onde se fecha toda a conta de um paciente e manda para seus devidos convênios, que vai com um valor e pode voltar com outro, por causa das glosas, sendo assim vejo este setor um dos mais importantes para se manter um bom resultado em valorespara o hospital

  2. Dentre os profissionais que trabalham no setor, saberia informar quanto gira a porcentagem de glosa no ano?
    É um ramo muito complexo, envolvendo comunicação interna eficaz além da boa gestão das operadoras quanto a autorização e o pagamento do procedimento.

    1. Tenho interesse em trocar ideias e conhecimentos sobre o setor de faturamento. Trabalho na areá de negociação e padronização de tabelas, tentando reduzir as glosas.

  3. Eu trabalho no setor de Estatística/Faturamento de um hospital há mais de dois anos. Trabalho diretamente com alguns setores como Maternidade, Clínica Cirúrgica e UTI. E uso no cotidiano vários sistemas online como SIGTAP, CADUS WEB, AGHU E CNES. Mas a minha principal ferramenta de trabalho é o Sistema SISAIH01, no começo foi difícil porque tem muitos dados para alimentar o mesmo, mas com a experiência que adquiri nesse tempo, posso dizer que já dominei o seu conteúdo, mas, tem também as críticas que precisamos fazer para encerramento do faturamento que são mais complexas. mas enfim, gosto do meu serviço e pretendo me especializar nesse assunto.

  4. O faturamento é um dos setores mas importante do Hospital, ele seja Privado, Filantrópico ou apenas Atendimento em SUS, com base em experiencia no setor temos alguns tipo de gerenciamento que de acordo com o tamanho do estabelecimento, exige profissionais para realmente auditar supervisionar, com isso evitando as famosas Glosas, estes profissionais (Auditor em Faturamento, Medico Auditor, Enfermagem Auditor) mostram os erros fazendo um pré-faturamento identificando o erro (Origem) e sanando imediatamente, para finalizar o faturamento com Glosas (0) e o mas importe conferindo as regras de contrato pela qual a entidade concordou. Obs (80% do faturamento do hospital depende da enfermagem e com uma boa educação continuada e funcionários usando a mesma linguagem não a limites para sucesso.

      1. São AIHs não pagas por estarem divergentes das normas de acordo com as portarias. Ou seja por falta de CBO do profissional que não consta na Base do estabelecimento ou serviço e classificação, outras por motivo de internamentos sobreposto no movimento ou no Estado, procedimentos não habilitado nas unidades, aí são alguns exemplos.

  5. Faço estágio no setor de Faturamento Hospitalar Público, estou formando em Gestão Hospitalar, o que me encantou foi que todos fazem rodízios, o que seria isso: a equipe conhece todos os processos e além, na falta de um seja lá por qual MOTIVO OS DEMAIS colegas se ajudam como num bale sincronizado, isso é muito bom e funciona. Estou disponível no mercado para atuar em Faturamento Hospitalar.
    Para quem tiver interesse para aumentar a equipe de faturamento; meu contato listilimann@hotmail.com

  6. Ola, estou fazendo um trabalho no setor de faturamento hospitalar, em busca de melhorias para diminuir o retrabalho no setor. Gostaria de trocar ideias sobre o assunto. Se alguém estiver disponível para uma conversa, favor entrar em contato!
    Grata.

    1. Ola Camila!! Meu nome é Ricardo e sou de faturamento tb. Tenho visto em minhas andanças pelo hospitais grande dificuldade no setor de faturamento em organizar processos, reduzir custo e diminuir tempo de entrega.. Podemos conversar a respeito, caso queira.
      Abraços

      1. Ricardo, boa noite. Eu estava fora de mercado de faturamento hospitalar desde 2005. A coordenadora anterior foi mandada embora e estou com muitas dificuldades em organizar processos no setor de faturamento hospitalar. Podemos conversar a respeito? Abraços.

      2. Ola! Eu também, foi admitida recentemente como supervisora do faturamento de um Hospital. Fui faturista por 10 anos em operadora de plano de saúde. Estou meio perdida, não sei por onde começar. Gostaria de conversar a respeito com vocês para trocarmos informações.

  7. Olá, fiz um curso de faturamento hospitalar e SUS, sendo que não tenho experiência profissional, apesar de ser recepcionista na área há 10 anos. Tenho muita vontade de aprender, caso tenha alguém interessado em meus serviços profissionais, estou a disposição. Fiz um curso bem completo de 3 meses de duração.

  8. Ola, trabalho em faturamento hospitalar a mais de 2 anos,na rede publica onde se aprende muito, pois a área publica é muito defasada! Mas gosto muito desse setor me possibilita aprendizado dia a dia!
    Já atuo na área hospitalar a quatro anos, gosto mais da parte ambulatorial contas médicas pequenos procedimentos explorar a conta ter boa visão, pois assim que se consegue bons resultados.

  9. Abner, me chamo Ruthy, trabalhei na area de faturamento em contas médicas do ano 2009 ate em 2015. Em uma clinica oftalmologica. Todo dia foi um apredizado, gostava muito do que fazia. Mas por motivos pessoais tive que me afastar, hoje estou me aperfeiçoando com cursos. Pretendo futuramente fazer faturamentos em meu proprio escritório, vc poderia me dá alguma dica para me ajudar nesse meu objetivo?! Fico grata desde ja!

  10. Olá Boa tarde,
    Meu nome é Hermilene Fernandes minha formação é Gestão Hospitalar e pós graduada em Auditoria do Sistema de Saúde pela Estácio de Sá, trabalho como faturista 18 anos e hoje estou atuando como Auditora Interna na mesma instituição em Petrolina/PE amo o que faço e apesar de todo stress do dia a dia eu estou realizada em trabalhar com faturamento gostaria de trocar experiências com vocês.
    Um forte abraço.

    1. Boa tarde colega, muito legal sua experiência. Sou Ger. Operacional de uma operadora e estou, sempre a procura de profissionais bem preparados. Caso, tenha interesse, me podemos nos corresponder por email.

      1. O meu nome é Reinaldo Pinhal e estou adquirindo conhecimentos dentro da área médica, em especial no setor de contas médicas. Atualmente estou atuando nas áreas de faturamento, auditoria, credenciamento, recurso de glosas e digitação de guias de internação e SADT.
        Estou encontrando nestas áreas uma satisfação profissional imensa, pois além de serem um futuro é promissor, é um universo magnífico.
        Tenho conseguido nestes 4 anos de atuação, contato com profissionais cuja a experiência e dedicação nos faz ver que estamos no caminho certo.

  11. Trabalho a 8 anos na prestação de suporte/serviço para diversos consultórios, clinicas e hospitais que utilizam um determinado software de gestão para enviar seu faturamento as operadoras. O que me deixa incrédulo seria a relação entre ANS, Operadoras e Prestadores onde a ANS padroniza código,descrição de procedimentos e suas tabelas para “facilitar” o recebimento do XML, as operadoras por sua vez criam diversos códigos específicos para procedimento, mat/med, taxas e diárias que podem variar dentro do seu ciclo de faturamento (no MEIO do faturamento ¬¬’ ) , dificultando o envio do arquivo e aumentando as glosas (Para alegria dos convênios) …Já os prestadores, coitados! Ficam no meio do “fogo cruzado” trabalhando no padrão estipulado pela ANS (TUSS e TISS 3.02.1) que não fiscaliza as operadoras de saúde e ao mesmo tempo no padrão definido pelas operadoras. Ou seja, o cenário atual é uma guerra de interesses tornando o faturamento uma das missões mais complicadas na administração hospitalar.

    1. Olá, tenho interesse em montar uma empresa de prestação de serviço em faturamento, procuro parceria. Att, Irene Guedes

      1. Bom dia, meu nome é Vanessa , tenho um escritório e pretendo prestar serviços de faturamentos pra clínicas e consultórios. Trabalhei muitos anos com faturamento hospitalar e hoje tenho meu negócio próprio. Gostaria de obter mais informações sobre sua proposta. Obrigada, Vanessa Henriques.

        1. Ola sou profissional da área de saúde, atuando na parte financeira com implantação e parametrização de módulos de faturamento e contas a receber hospitalar, tenho grande conhecimento em arquivos de recebimento no padrão XML e conheço normas de realização de recebimento xml por meio de importação de arquivo e conciliação automática de itens faturados. Meu nome é Marcos Dias e meu e-mail é marcostufo@hotmail.com Estou procurando uma oportunidade. Grato.

      2. Bom dia trabalho a 10 anos com faturamento e gostaria de maiores informações quanto a proposta de parceria.

      3. Gostaria também de abrir uma empresa para prestar serviços de faturamento de clinicas. Favor entrar em contato no meu e-mail caso haja interesse.

      4. Tenho interesse em prestar serviço de faturamento a clínicas médicas e odontológicas, caso tenha interesse entre em contato.

  12. Boa Tarde Abner, vou participar de uma seleção para área de faturamento em uma Clínica de Oncologia, tem alguma dica para me dar. Obrigada

  13. Bom dia, estou no ramo hospitalar há quatro anos, especificamente no setor de faturamento há uns três. Muito aprendizado ao longo do tempo, e a cada dia um aperfeiçoamento, que me oportuna uma melhor qualificação na área. Hoje me deparo produzindo um relatório do meu curso de Administração e é claro resolvi explorar sobre minha área onde eu mais entendo.
    O setor de faturamento realmente é um dos extremamente destaque nos hospitais, com base nele pode se analisar a qualificação da prestação de serviço como um todo, tendo em vista que todos as atividades não resolvidas com excelência são detectados lá, causando muitas das vezes atrasos nas entregas das faturas devido a não responsabilidades dos outros setores envolvidos, que muitas das vezes não sabe a importância de cada guia e de cada informação. Mas graças a Deus, onde eu trabalho está sendo trabalhado nisso, e acredito eu que logo tudo ira melhorar. Enfim… eu amo trabalhar com isso apesar dos stress diário rsrsrrsrsrs.

    1. Jessica,
      Olá, tudo bem?
      Eu estou começando nessa área agora, estou mega feliz, pois sempre gostei do ramo administrativo hospitalar. Tem alguma dica pra mim?
      Tenho formação técnica em ADM, e superior em andamento, tenho 20 anos, trabalho desde 14 na área de RH.
      Abraços !

  14. Eu trabalho no setor de faturamento de um hospital há um ano e gosto muito, tem que ter muita atenção, paciência e sabedoria. Tenho que estar conectada com todos os outros setores, gosto muito, tem muito serviço mas e proveitoso o aprendizado, e olha que nunca tive treinamento, aprendi com o tempo o que era DATA SUS, SIH, BPA, AIH, em fim muitas coisas, ah e o SIGTAP também. Abraços!

    1. Boa tarde Eliene, trabalho algum tempo no setor de faturamento como supervisor de faturamento de um hospital publico de referencia em Goias. Podemos trocar informações, sobre atualizações, tabelas, procedimentos e etc. Estamos a disposição.

      1. Boa tarde,
        Recebi um convite de coordenar o faturamento de um hospital, vi uma explanação sua
        gostaria de saber se podemos trocar experiencia, já que tem mais tempo no ramo que eu,
        toda ou qualquer ajuda sera bem vinda. Grata! Euzineide Ferreira.

  15. Bom dia!!
    Estou fazendo um curso a distancia de faturamento hospitalar mas está sendo bem complicado pra mim, tem algumas coisas que não estou sabendo diferenciar, minha chefe esta colocando muita pressão para que eu termine logo o curso para me colocar no setor mas esta bem complicado para entender. Gostaria da ajuda de vocês. Desde já agradeço!

  16. Gente, na próxima semana começo a trabalhar em uma clinica hospitalar no setor de faturamento. Nunca trabalhei com isso, vcs tem algum conselho para dar, pra quem vai iniciar neste setor? Obrigada. Daiana

    1. …Oi! Entender sistema processual que a clínica que você trabalha é fundamental, sem falar na que faturamento se aprende mesmo no dia dia, exercitando os cálculos de CH para CH, observando as diferenças de guias entre operadoras, decorando códigos da mesmas operadoras, taxas que se utiliza no sistema processual (se é que usa sistema processual onde você trabalha), em fim, como disse anteriormente, é o dia dia, espero que tenha ajudado. Abraço!

  17. Resumo do setor de faturamento hospitalar da grande maioria das instituições de saúde por onde passei: local quase sempre escondido de tudo, com móveis e equipamentos usados, pouco investimento, pouca mão de obra e muito, mas muito serviço acumulado.

  18. Aprendi que as funções do Faturamento é atuar como “Crédito e Cobrança”. O ato de dar ou estabelecer o Crédito é colocar todas as regras acordadas contratualmente: o que, quando, quanto, quem e como. Quer seja para empresas conveniadas ou não (particular) e em sistemas de informática. O ato de cobrar é gerar o documento “Fatura” que formaliza a cobrança do que foi realizado, ou seja, “processos definidos” de tudo que direta ou indiretamente contribui para realizar o serviço (a venda), através de “pessoas” Médicos, Enfermeiros, Técnicos e profissionais Administrativos; utilizando equipamentos e recursos “sistemas” com equipamentos de informática. Tudo integrado resulta em: processos, pessoas e sistema. Portanto, enxergo o Faturamento Hospitalar um setor “itinerante” e não mais centralizado; que compete a execução dos processos por profissionais “Médicos, Enfermeiros e Técnicos” e não mais Faturista. Porque? Hoje, tudo deve ser feito “em tempo real” . De que forma? No momento de realizar o serviço (consultas, cirurgias, procedimentos, etc) e utilizar o recurso (material, medicamento, equipamentos, etc) para realizar o atendimento.

  19. Na minha opinião o faturamento hospitalar começa muito antes do devido atendimento do paciente, começa na negociação e elaboração dos contrato, que infelizmente as empresas hospitalares não conseguem ver isso, os contratos, acordos e pacotes são negociados sem a participação e a visão do gerente de faturamento. Lá na frente, quando chegam as glosas, é que se verificam os equívocos e as dificuldades que foram criadas.
    Internamente, o gerente de faturamento, tem que absorver e/ou está bastante envolvido com as funções da central de guias, auditoria e recurso de glosas, sem isso, a tendência será de grandes perdas financeiras, através da evasão de cobrança e das glosas. Outras perdas, não contabilizadas, são as chamadas glosas invisíveis, aquelas acordadas entre auditoria externa e interna, muitas vêzes para agilizar a conta e facilitar o trabalho dos auditores.

  20. A organização que não prima pela excelência do setor de faturamento, com equipes altamente treinadas e devidamente organizadas estará fadado ao fracasso. Não se pode admitir dentro de uma gestão do setor, uma equipe que não esteja devidamente treinada para a análise criteriosa das glosas pois isso minimizará o atraso de recebimentos. Acima de tudo, a organização deve preocupar-se com o treinamento de todos os colaboradores envolvidos nas questões administrativas, pois de nada adianta primar pelo setor de faturamento se toda a cadeia não estiver alinhada e comprometida. Em verdade, todos perdem!

  21. Ótimo artigo e é essencial abordar também porque grandes hospitais cobram in advance os h.m. de visitas médicas hospitalares. Eu mesmo sou diretor de minha clínica, que é ambulatorial, ou seja, fazemos tudo ambulatorial mas, vez por outra internamos e largo período, qual não é a nossa surpresa pois quando enviamos a fatura de cobrança ficamos sabendo que o dito hospital já a cobrou. Ai temos que implorar para que esse hospital repasse-nos o que é de direito. Isso a grosso modo é apropriação indevida.

    1. Dr. Ricardo Teixeira, é muito simples, é só você informar ao hospital, ou melhor, ao setor de faturamento, que irão cobrar as visitas, no prontuário, já que são vocês que passaram as próprias.

    2. Realmente é comum isso acontecer, mas se o Dr. está credenciado junto á operadora para realizar o procedimento em paciente internado. Pode mandar a cobrança para operadora e insistir se eles pagaram indevidamente para o hospital, eles estornam do hospital e pagam diretamente no seu código de credenciado. Acredito ser menos desgastante do que ficar tendo que bater na porta do hospital para receber, muitas vezes o profissional não recebe e acaba deixando pra lá. Absurdo.

  22. Caros colegas, quando assumi a gestão a qual respondo há quase três anos, recebi o desafio de ser a gestora de três processos distintos e que sempre existe falhas de comunicação entre todos que são Faturamento, Auditoria e Recurso de Glosas. Depois desse tempo e de uma construção conjunta de todas as 3 equipes, aprendemos a caminhar de mãos dadas e isso tem feito a diferença em prol da empresa. Na época me reuni com a equipe e realizamos a divisão dos convênios para grupos de um faturista, um analista de contas e um auditor, e essas ilhas (como chamamos internamente) cuidam do processo de faturamento como um todo, isto é, desde a autorização até o processo final de remessas e depois quando existe o retorno da gestão financeira em relação ao pagamento do convênio, a equipe da Analise de Glosa entra em ação corrigindo as não conformidades, verificando as diferenças de valores nas glosas administrativas e dando feedback aos setores afins para correção de sistemas, caso haja necessidade. Hoje somos 10 na nossa equipe e conhecemos o processo de trabalho das áreas, de tal forma, a Gerência de Contas e Auditoria realiza um trabalho em equipe como um todo. Essa experiência realmente está sendo bem bacana.

  23. Eu trabalhei num hospital onde a auditoria e faturamento viviam trocando farpas. Até quem um belo dia uma das enfermeiras saiu da auditoria e tornou-se chefe dos administrativos (aqueles que pedem as medicações, materiais) que são solicitados pelo corpo de enfermeiros no posto. Isso foi maravilhoso! Pois ajudava no faturamento automaticamente com a auditoria, ou seja, tudo começava lá no posto.
    Enxergo o faturamento como o pessoal que precisa mesmo de muito treinamento, agilidade, habilidade. Eu os vejo como analista de contas médicas. Importante quando uma medicação ou material não estão dentro das tabelas vigentes (não que o auditor não saiba fazer), mas trabalhei em outro setor que o analista (faturista) fazia esta análise (trabalhei como uma, que era a melhor de todas. Poderia ser encrenqueira, mas era aquela que resolvia tudo. Anos luz de experiência!
    Eu não tenho bagagem para falar de faturamento, o que eles fazem (suas atribuições, deveres, enfim, seus regimes internos) Mas, creio que muitos auditores poderiam fazer cursos de faturamento (ainda pretendo fazer). Não os vejo somente como contas à receber, emissão de NF, etc… Mas, para o trabalho deles andarem, precisa começar nos fechamentos de contratos, setores, auditoria. Se eu falei algo que não está dentro de uma coerência, favor, me oriente. Abraço.

    1. Excelente Rafaela! conectar-se com todos os setores os quais as rotinas de trabalho influenciam no seu trabalho e fundamental. É extremamente importante termos a consciência que não somos apenas setores e sim Um Hospital!

  24. É uma área pouco conhecida, muito trabalhosa, onde todo cuidado é pouco, no que se refere a faturar, porém gratificante quando todo trabalho sai perfeito, e dentro prazo estipulado para cumprir o mesmo!

  25. Na minha opinião, o Faturamento Hospitalar não é “simplesmente” a Ger. Contas Medicas, é o espelho da eficiência ou ineficiência de toda a cadeia de atendimento. Muitas oportunidades de melhoria são evidenciadas nesta etapa.

  26. Infelizmente os próprios estabelecimentos de saúde não dão o devido valor a este setor, acham que faturar as contas médicas é juntar um pilha de papéis, colocar num envelope e mandar para a operadora.
    Sem contar que há poucos cursos, e de qualidade duvidosa, que orientem esses profissionais que na maioria das vezes aprendem a função no dia-a-dia.
    Tamanha responsabilidade é mal remunerada, e em muitas situações as falta de equipamentos e materiais dificultam ainda mais o desemprenho e a eficiência do trabalho.

    1. Olá Erica, eu vivo este dilema, é muito estressante trabalhar com poucos recursos. trabalhamos muito e ganhamos pouco. Infelizmente nossos hospitais estão com dificuldades financeiras principalmente os que são filantrópicos, onde mais de 80% atendem os usuários do SUS. Está difícil os estabelecimentos serem sustentáveis.

  27. Atuei no setor de faturamento hospitalar alguns anos. Realmente é um setor que para poder dar continuidade ao seu trabalho, tem que acertar processos de outros setores e profissionais, como por exemplo, anotações das equipes multiprofissionais , resultado de biopsias, falta de laudo radiológico, autorizações, entre outros, às vezes perde prazo aguardando documentos. E o setor de faturamento passa ser responsável por tarefas que não lhes compete. Como já vimos matérias de um Novo Modelo de Remuneração de Hospitais propondo mudança no atual modelo de conta aberta, para tabela compacta, seguir protocolos e diretrizes, com certeza o faturamento hospitalar será visto como um setor de extrema importância nos hospitais.

    1. Realmente Raquel, o setor de Contas médicas depende muito do trabalho de muitos outros setores. Mas, instruir incessantemente é uma saída ótima. Cansativa as vezes, mas, paciência é primordial!

Deixe uma resposta para Ana Paula Melo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso lhe ajudar?