“Foi feita uma experiência com um grupo de pacientes onde alguns ficaram em quartos com vista para uma parede e outros com vista para um parque, estes últimos apresentaram melhora de saúde mais rapidamente que o primeiro grupo”.

O trecho acima é parte de uma matéria publicada no jornal O Estado de São Paulo em maio de 2007, relatando a importância do ambiente físico de um grande hospital, na recuperação dos pacientes.

Ambientes com móveis e paredes de cores estimulantes, e quadros com paisagens são benéficos para levantar o espírito os internados. Da mesma forma, salas que dispõem de jogos lúdicos ou oficinas de artesanato, estimulando o raciocínio e a interação entre nossos clientes.

A verticalização dos prédios hospitalares, pela própria modernização da estrutura e logística, fez com que seja cada vez mais difícil encontrar extensos jardins, e espaços abertos, onde os clientes podem passear e respirar um ar novo para continuar sua luta pela boa saúde.

Em alguns casos, hospitais que não têm área suficiente para um grande jardim, estão investindo em um pequeno jardim de inverno dentro de suas dependências, voltado para o relaxamento exclusivo de pacientes e acompanhantes.

A pesar de alguns bons exemplos no Brasil, ainda são poucos os hospitais que têm seu ambiente físico voltado para o bem-estar e a recuperação psicológica e anímica do cliente-paciente.

Os benefícios são focados na melhora psicológica da pessoa, que consequentemente pode contribuir para uma melhora física, como já foi comprovado através de pesquisas, e também ajuda, na repercussão positiva perante os familiares e amigos dos internados.

Claro que tudo requer planejamento, obviamente há demanda de tempo e capital para transformar parte da infraestrutura de uma instituição de saúde, porém a recompensa final é extremamente positiva, pois um hospital que preocupa-se com o bem-estar mental de seus clientes-pacientes, expressa também humanização.

Há muitas formas de tornar um período de internação menos estressante, e tudo depende do grau de conscientização dos hospitais com este quesito, permitindo até casamentos, festas de aniversário e a visita de “outros membros da família” como, animais de estimação.

Não tenha dúvidas que isso motiva e alegra muito uma pessoa que está enfraquecida dentro da instituição, àqueles que têm uma forte ligação com seu bichinho, desde que tudo seja feito com a segurança e higiene necessários, é claro.

Centros de medicina diagnóstica e consultórios médicos também podem aplicar inovações em seu ambiente físico, como por exemplo, música relaxante, aromas que transmitem calma, e até através de breves sessões de massagem em pacientes mais ansiosos. Isso ajuda no relaxamento e paciência dos clientes, sobretudo antes ou depois de realizar um exame mais complexo, ou no caso de um consultório médico.

Para não se esquecer da força de trabalho de um hospital, os funcionários também merecem especial atenção para alcançar o máximo do seu potencial laboral, dentro do ambiente hospitalar.

Algumas organizações de saúde dispõem de espaços onde os mesmos podem usufruir vários tipos de serviço, desde cabeleireiro até aulas de dança, passando por quick massage e academia de ginástica. Afinal, um colaborador bem disposto atende melhor seu cliente-paciente e depois de um dia duro de trabalho, retorna ao seu lar com uma dose extra de disposição.

Qualidade de vida é essencial para qualquer pessoa, seja ela saudável ou em processo de recuperação.

Por fim, o fato é que mesmo a melhor infraestrutura do mundo não pode suprir a empatia, o carinho e a atenção que muitas vezes faz a maior diferença, mas quando se pode fazer algo a mais como nos exemplos citados neste texto, todos ficam felizes, pois paciente recuperado e satisfeito com o atendimento recebido é a essência de uma verdadeira instituição de saúde.

Profissional de Comunicação e Marketing pela Universidade São Judas Tadeu, atuando na área da saúde desde 1999. Atualmente trabalha no HCOR - Hospital do Coração - SP, tendo passado por renomadas entidades como: Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Hospital Israelita Albert Einstein e Fleury Medicina Diagnóstica. Colunista na Revista Visão Hospitalar e palestrante. Dedica-se ao estudo do marketing e comunicação em instituições de Saúde.

3 Thoughts to “Como o Ambiente Físico ajuda na Recuperação dos Pacientes.”

  1. Marcia Martinez de Azevedo Bastian

    Muito bem colocado Fábio, os ambientes de saúde, espaços terapêuticos bem planejados são resultado de uma arquitetura focada no indivíduo paciente, acompanhante e assistência. Abraço.

  2. Paulo Roberto Silva

    Ótimo artigo, a humanização hospitalar é hoje parte do processo de recuperação e reabilitação do paciente, itens destacados no artigo como o ambiente físico, interação da equipe com o paciente, até mesmo a iluminação e a cor da parede são importantes na recuperação, posso acrescentar a essa lista a Espiritualidade como um dos mais importantes recursos, porém deve ser tratado com muita sutileza pois, envolve a nossa diversidade de crenças e religiões. Estamos avançando a cada dia no processo de Humanização. Parabéns Fábio pelo artigo!

  3. Fabio Corsini Motta

    Interessante e fácil de entender o porquê, uma vez que quando estamos felizes preferimos sair e quando estamos tristes preferimos ficar no quarto… A recuperação também depende de nosso estado emocional.
    Atenciosamente;
    Fabio Corsini Motta

Leave a Comment